domingo, 3 de setembro de 2017

BEN & MELISSA - Parte IV

Ressaca moral. Esse é o pior tipo de ressaca que um homem pode ter. A ressaca da alma. Minha cabeça está doendo tanto que mal consigo abrir meus olhos, o sol está forte do lado de fora da janela, e eu nem me lembro como cheguei no meu apartamento essa madrugada. Mas pior do que a dor de cabeça e o estômago revirado é a dor no coração. Melissa não fala comigo desde aquela sexta no bar do Wood. Tentei ligar, mandei mensagem, já faz três dias que faço plantão na casa dela, e nada, ela entra e sai e finge que não me vê, finge que não me ouve, finge que não liga, mas eu sei que ela sabe que liga. Ela liga tanto que está lutando consigo mesmo para não me deixar entrar.
Olhei meu despertador na mesinha do lado da cama e nele está marcando 12:53 de um domingo, eu sei que vou precisar de muita força para levantar, me orientar, tomar uma ducha e ir para o apartamento de Melissa com outro buquê de rosas. E é exatamente isso que faço, com determinação abro meus olhos e encaro a luz do sol, me levanto e como planejado eu tomo minha ducha, coloco uma roupa legal porém simples, calço os chinelos e uso o perfume preferido dela, pego as chaves do carro e vou. Enquanto dirijo começo a me perguntar o porquê de querer tanto dar uma explicação para ela, chego a conclusão que talvez ela seja mais importante do que eu supus, caso contrário eu não estaria tentando me explicar. Já são quase 14 da tarde, passo na floricultura de sempre, mas dessa vez escolho rosas brancas. Uma vez, em um dos nossos encontros, ela colocou um filminho meloso para assistirmos, confesso que até gostei do filme, era uma adaptação de A Bela e a Fera com aquela atriz que fez High School Musical, e vi que ela ficou emocionada quando o rapaz entregou para a moça uma rosa branca, e a moça disse que rosas brancas significam "eu sou digno de você". Comprei cinco dúzias de rosas brancas, pois sei que sou digno dela e sei que mereço uma chance de me explicar e provar isso.
Entrei às pressas no prédio e pedi ajuda ao porteiro com as rosas, eu e "Seu João" pegamos o elevador, apertei o 5° que era o andar dela e depois de colocar todos os buquês no chão abracei "Seu João" e pedi humildemente que ele me enviasse boas energias lá da portaria, melhor do que isso ele me disse: "Eu te desejo sorte, filho..." , estendeu a mão segurando uma chave familiar entre os dedos, a chave do apartamento dela, e antes que eu pegasse ele continuou a falar: "mas, se você partir o coração dessa garota mais uma vez sou eu quem vai partir sua cara!" - me abraçou e após alguns tapinhas nas minhas costas ele suspirou e continuou: "Agora entra aí e faça o que você veio fazer, mas dessa vez faça direito". Nem tive tempo de agradecê-lo, fiquei tão embasbacado que não consegui proferir uma única palavra, quando dei por mim "Seu João" já havia descido para a portaria novamente.
Entrei no apartamento mais do que depressa, sabia que Melissa não estava lá, uma vez que seu João estava com as chaves era porque ela havia saído e por medo de perder-la sempre deixava com ele na portaria. Não sei qual desculpa ele daria para ela quando chegasse, mas já que eu tinha uma oportunidade eu ia aproveita-lá.
Espalhei rosas por todo o apartamento começando do carpete de boas vindas que ficava abaixo da porta de entrada, sai fazendo um caminho de rosas brancas que seguia até o quarto dela e em cima da cama eu espalhei o restante das rosas, deixando somente uma em minhas mãos para que eu entregasse à ela. Eu não sabia exatamente o que estava fazendo, mas estava fazendo. Minhas mãos estavam suadas, eu até estava tremendo, o que me deixava ainda mais nervoso por nunca ter me sentido assim antes, me sentei a beirada da cama de casal dela, de frente para a porta do quarto (que estava fechada) e resolvi esperar por ela ali.
Não demorou muito e pude ouvir a porta se abrir, ouvi risos que significavam que ela não estava sozinha, meditei por um instante se isso era realmente necessário e antes que minha cabeça pudesse me convencer do contrário repeti em voz alta, porém audível somente para mim mesmo, um grande e sonoro: sim. Os risos se intensificavam a medida que os passos se aproximavam do quarto, mas era perceptível que nenhuma daquelas risadinhas era masculina. Parecia uma eternidade, até que finalmente ela abriu a porta. Ergui meus olhos lentamente até os dela, e pude perceber que ela não sabia porque e como eu estava ali (não sei qual a desculpa que o "Seu João" inventou, mas funcionou porque era perceptível seu espanto). Atrás dela consegui ver duas de suas melhores amigas que estavam tão boquiabertas quanto ela e que me olhavam um tanto desconfiadas também.
Melissa cabisbaixa, segurando a maçaneta da porta com uma das mãos e a outra na cintura, após longos minutos de silêncio e mordidas nervosas em seus lábios falou com a voz serena porem fria o bastante para ferir meu coração: "Posso saber o que você está fazendo aqui Benjamin? Que tipo de maníaco louco você é? " - e então com a voz um pouco mais firme e alta ela desabafou - " Você não poderia simplesmente parar com isso e desaparecer? Já não foi o bastante aquela noite no Woods? Você precisa vir na minha casa todos os dias para me fazer lembrar o quão estúpida e burra eu fui por acreditar que podíamos ter algo? Você... " - ela engasgou, colocou as duas mãos no rosto e começou a chorar. Nenhuma das amigas tentou consola-la, nem eu, nós sabíamos que quando Mel chorava ela só queria chorar, não queria ninguém dizendo para que ela parasse, principalmente naquela situação. Após vários minutos de lágrimas ela se recompôs e continuou - " Porque você não me atendeu, Ben? Porque você não retornou pelo uma vez para me dizer que não queria mais me ver ? Porque você foi tão covarde a ponto de não conseguir nem me dispensar?!"
Eu não sabia o que falar. O silêncio mais perturbador e doloroso que já presenciei se instalou no quarto. Melissa estava com os olhos inchados, a pontinha do nariz e as bochechas vermelhas, e eu amava ver o nariz e as bochechas dela assim, mas não por aquele motivo, ela sempre ficava vermelha quando estava com vergonha ou com frio. Me envergonhei porque achar ela linda mesmo após ter chorado por minha culpa. Sim, minha culpa. Ela suspirou decepcionada. Uma. Duas. Três vezes. E eu ainda estava tentando entender o que exatamente eu falaria, não estava nos planos nada daquilo, eu só queria me desculpar e fim. E então, sem planejar, sem ensaiar a frente de espelhos, sem saber o que falar em uma situação daquelas, estendi a mão com a rosa em sua direção, suspirei e comecei: "Eu sou digno de você"! - Melissa sorriu ironicamente, quase que incrédula por eu estar sendo tão clichê com aquela frase, mas antes que ela pudesse falar qualquer coisa eu continuei - Uma vez conheci uma garota incrível em uma boate, ela não tinha nada de comum embora referisse a si mesma como comum e sem graça. Usava um vestido preto, e não usava maquiagem nenhuma além de rímel, mas sabe o que mais me encantou nela? Ela não usava maquiagem na alma. Após um longo papo sobre cantadas idiotas consegui o telefone dela, e liguei na mesma noite, liguei durante três meses, sempre que eu tinha uma folga na empresa saíamos para fazer algo. Ela me falava sobre a vida, sobre os sonhos que ela tinha e sobre os que ela deixou para trás por achar que não serviam para ela. Largou a faculdade de direito porque se dizia decepcionada com o curso, mas ela nasceu para aquilo, qualquer um poderia ver, bastava que ela começasse a falar sobre leis, justiça, defesas e filmes policiais, na maioria das vezes eu não entendia nada do que ela dizia, mesmo assim eu sorria, balançava a cabeça afirmativamente e achava ela linda. Acho ela linda! E inteligente! Aquela garota preencheu meus dias de coisas que eu não me lembrava mais que existia: sentimentos, sorrisos, filmes românticos, e musicas daquele idiota do Sam Hunt que acabaram com a memória do meu celular e que hoje são as minhas preferidas, pois são as que me fazem lembrar dela. Dança Ariana Grande e tentava cozinhar mesmo quando sabia que era péssima nisso. - Suspirei me lembrando de "Take Your Time" do Sam Hunt e ela dançando "Into You" da Ariana Grande uma vez no apartamento dela. Sorri e percebi que os olhos dela lacrimejavam, mas dessa vez percebi que ela também sorria, pois sabia do que eu estava me lembrando. - Conheci essa garota incrível. Vivi momentos incríveis com ela. No quarto , neste quarto - nós dois gargalhamos baixo -, na sala, na cozinha, no banheiro -continuamos sorrindo - e além disso tudo vivi momentos incríveis com ela no cinema quando ela molhou minha camisa de tanto chorar assistindo "Como Eu Era Antes de Você", ou quando ela escondia os olhos nos meus ombros quando assistimos "A bruxa de Blair". Vivi momentos incríveis com ela no restaurante japonês quando ficava jogando comida crua em cima de mim e reclamava sem parar "Não sei como você aguenta comer essas porcarias, vamos comer frituras, Ben!". O mais incrível é que ela sempre fazia questão de ir no japonês comigo, ela dizia que gostava de me ver comer, mas eu descobri que ela gostava mesmo era de mim. Conheci essa garota incrível e a perdi. Fui um babaca. Não retornei as ligações. Não atendi as chamadas. Ouvi cada uma das mensagens deixadas na secretaria eletrônica e apaguei cada uma depois de ouvi-las, porque eu sou um covarde. - abaixei minha cabeça e silenciei por um instante.
Mel... - olhei em seus olhos novamente - Eu estou aqui por que naquela noite quando te vi naquele bar, quando vi você parada me olhando, eu percebi que não queria nada alem de você. Uma vez, meu pai me deu um conselho muito sábio quando eu ainda era um menino. Eu o questionei sobre a mulher certa e ele disse que eu saberia no momento em que colocasse meus olhos nela. Que nada mais importaria além dela. E ele disse: "Filho, quando você encontrar essa mulher, vá atras dela e pegue-a. Não a deixe ir embora. Não a deixe escapar. E se você fizer essa burrada, trate de consertar. Lute por ela. Não seja uma idiota como seu pai foi quando deixei sua mãe partir. Simplesmente vá atrás dela e prove para ela que você é digno dela. Que só você pode fazer ela feliz...". E é isso que eu estou fazendo aqui. Eu não pude te segurar pelo braço naquela noite e dizer o quanto eu quero cuidar de você quando se cortar na droga do espelho do banheiro. - Melissa soluçou alto e deixou lágrimas escorrerem pelas bochecha ainda avermelhadas - Que as noites mais tranquilas que dormi foram ao seu lado. Que eu sinto seu perfume mesmo quando não tem ninguém por perto. Eu quis te segurar pelo braço e dizer que aquela mulher no bar era apenas uma velha amiga e que talvez eu até a levasse para casa mais tarde, para a casa dela e não seria para transarmos, mas sim pelo fato dela estar bêbada demais para ir sozinha. Eu quis ir atras de você naquela noite, para te segurar pelo braço e dizer que eu não iria te soltar nunca mais, porque nunca na vida eu quis tanto algo como eu quero você e já que eu não consegui fazer isso naquele dia eu estou tentando fazer agora. - Melissa continuou me olhando com lágrimas nos olhos, estendeu a mão e pegou a rosa que eu ainda estava segurando em sua direção. Assim que ela focou meus dedos e segurou a rosa, puxei-a lentamente para perto de mim pelos dedos, encostei sua cabeça em meu ombro e abracei-a. Senti ela respirar fundo e chorar, quando finalmente sua respiração se acalmou segurei seu queixo e levantei sua cabeça, enxerguei as lágrimas com meus polegares e beijei com delicadeza seus lábios que estava molhados e salgados por causa do choro. E então sussurrei... - Eu nunca pensei que fosse me apaixonar por você. Eu nunca fui o tipo de cara que se apaixona, mas quando você sorriu naquela boate, naquele dia, naquela hora, naquele momento eu soube que estava perdido. E depois quando eu te liguei para ter certeza de que não havia me passado o número errado, eu tive certeza que eu estava muito perdido, mas ... foi no dia em que fizemos amor pela primeira vez, nesta cama, neste quarto, que eu me dei conta de que eu realmente estava fodido. Eu me dei conta de que você havia roubado mais de mim do que minha atenção, você roubou meu coração.
Então eu quero que você entenda de uma vez por todas que eu sou sim digno de você, Melissa Amaral. Sou digno de ser visto ao seu lado, sou digno de poder amar você, foder você, fazer amor com você, mas principalmente sou digno do seu amor. Só diz que não é tarde e que me aceita de volta, por favor!" - Ela me olhou nos olhos e sorriu daquele jeito que eu amo, e com carinho esfregou o nariz no meu dizendo : "Você nem precisava dizer isso tudo, embora eu tenha realmente amado cada parte. Você me ganhou com a primeira frase e vou te responder usando ela. Como é mesmo?! "Eu sou digna de você, Benjamim Carter!".
E nós terminamos nossa noite apaixonados, enrolados um no outro e transando como loucos. Ela me tem por inteiro, e olha que louco, ela é minha. Completamente minha.

Nenhum comentário:

Postar um comentário