domingo, 11 de junho de 2017

O ÚLTIMO TEXTO PARA VOCÊ


É manhã de domingo, da janela do meu quarto eu vejo alguns finos raios de sol que entram através das frestas da cortina, eu começo a me lembrar que não sei que dia é. Decidi não contar mais os dias depois que você foi embora. Não quero ficar me prendendo a sua ausência. Mas confesso que é quase inevitável não pegar o celular esperando que tenha uma mensagem de “bom dia” sua.
A decepção, ao contrário do que muitos dizem, não é culpa de ninguém além de nós mesmos. Expectativas borram maquiagens e comprimem estômagos, isso são coisas que uma mulher aprende desde muito jovem. Achei que eu havia superado essa coisa de viver sem esperar nada de ninguém, mas aí apareceu você.
Eu gostaria de ter sido indiferente aquele sorriso lindo que você abre quando eu falo uma besteira. Gostaria de ter ignorado suas mãos segurando as minhas enquanto eu falava sobre qualquer coisa que não me lembro agora. Gostaria de ter sido indiferente aos carinhos depois que fazíamos amor. Aquela coisa de deitar minha cabeça no seu peito e ficar contando os batimentos do seu coração, que por vezes estava tão descompassado quanto o meu. Gostaria de ter sido indiferente ao gosto do seu beijo. Gostaria de não ter me visto dentro dos seus olhos as tantas vezes que nos encontrávamos. Gostaria de não sentir que existia muito mais que química sexual entre nós. Talvez um sentimento sem nome, muito mais que sexo, porem menos que amor. Gostaria de não ter esperado nada de você. Gostaria de não ter gravado o cheiro do seu perfume no meu vestido. Um dia desses peguei-o para lavar mas senti seu cheiro nele, resolvi guardá-lo no mesmo lugar, assim eu ainda teria uma parte de você por mais tempo. Gostaria de ter mais do que dois meses de nós dois para contar as pessoas. Gostaria de não torcer para o Palmeiras quando sei que ele está jogando. Eu gostaria de não imaginar tantas coisas com você, por você, de você… Mas desde o momento em que pus meus olhos em você, tudo que tenho feito é imaginar coisas lindas ao seu lado. Sejam as risadas que eu havia guardado para nós, sejam as histórias que eu não contei, sejam as coisas que planejei… Você trouxe uma alegria diferente para meu coração, e agora, longe de você, tudo que me resta é esquecer os dias que não te vejo. Esquecer os segundos que não ouço sua voz. Esquecer você. Aos poucos. Como uma pia que goteja água até esvaziar a caixa. É assim… Imagino que um dia, talvez em uma outra manhã de domingo, eu acordarei, abrirei os olhos, a janela, e deixarei o sol entrar. Não vou mais me lembrar de você. Não vou mais querer esbarrar contigo em algum canto dessa cidade. Nem vou me importar se você dormiu bem durante a noite, se chegou bem de viagem. Não vou mais me preocupar se você está resfriado, se sua garganta melhorou, se está se agasalhando a noite, porque o friozinho aperta de madrugada. Não vou me importar se alguém partiu seu coração, nem vou te aconselhar a se dar uma oportunidade novamente. Neste dia, você será só um cara. Um cara que passou pela minha vida. Um cara que poderia ter sido tudo, mas escolheu ser nada. Vou esquecer seu nome, e forçar minha memória a lembrar, e dizer: “Ah, aquele cara?! Como era mesmo o nome dele?!”

Você será só uma lembrança que minha cabeça forçou meu coração esquecer. Será só mais um. E você poderia ter sido tanto… Mas, por enquanto, eu fecho os olhos para os raios de sol não incomodar minha vista, e secretamente faço uma prece. Com meu coração, eu peço a Deus para te trazer bem de volta para casa. Peço a Deus para que eu supere a saudade que sinto de falar com você. Peço a Deus para trazer você de volta pra mim… Mas sempre repito ao final: Que nossas vontades estejam de acordo, Senhor, porém se não estiverem, que as Tuas prevaleçam.
E talvez um dia você entenda, que não foi o tempo ao seu lado que determinou o sentimento, mas que foi o tempo longe de você que o findou.
A ausência acelera o processo de esquecimento. A indiferença acelera a aceitação. A distância determina a quantidade de dias que isso vai levar para acontecer. Mas só o tempo tem todas as respostas. Só o tempo.


Nenhum comentário:

Postar um comentário