quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

Amor de Chuva

​Um dia chuvoso, olho os respingos que escorrem da janela e é inevitável não pensar que tudo poderia ser diferente com você aqui, poderia mesmo? Nem eu sei, pois assim é o amor: nada mais que uma criança birrenta que deseja realizar todas as suas vontades aqui e agora, não precisa e nem pode ter nexo, o amor tem esse quê de egoísmo, de querer a todo custo estar ali, presente, cuidar, mimar, abraçar e beijar, e isso é o gostoso: um egoísmo mutuo que acaba se tornando companheirismo e afeto.
Mas a chuva não para e você não está aqui comigo, os filmes que escolhi a dedo pra assistir na sexta à noite não tem sentido sem você, sinto um vazio no peito, o vazio que sua falta me faz, não tenho mais a sua cabeça para recostar em meu peito, suas caras e bocas que me fazem esquecer os problemas, ou seus cabelos que adoro bagunçar, só pra senti-los em minhas mãos.
Porque as coisas não podem ser mais simples? Não coloque suas dúvidas, medos e incertezas em nosso relacionamento, não se preocupe tanto com os outros, viva sua vida, abrace o que a vida te proporciona hoje, pois o amanhã pode nunca chegar!

Nenhum comentário:

Postar um comentário