quinta-feira, 21 de setembro de 2017

PORQUE ELE É DE PEIXES



É fácil reconhecer um pisciano: Olhos pesados, cabeça nas nuvens e um sorriso de matar.
Sim, ele é capaz de te fazer esquecer qualquer problema com aquele sorriso farto e as piadas que só tem graça quando contadas por ele.
Capaz de esquecer os problemas dele para te ajudar a cuidar dos seus, e só quando você estiver com tudo sob controle é que ele volta para o mundinho dele. Esse é o cara de peixes.

Tenho certeza que em algum momento você já se apaixonou por um, e se não se apaixonou, com certeza, ainda irá. É inevitável. Eles chegam com aquela cara de bom moço, os pés tão fora do chão que você pensa que ele vive no mundo da lua, e ele vive. O homem de peixes tem seu próprio mundo, suas próprias teorias, e acredite se quiser, mas ele tem uma persuasão inigualável por isso consegue tudo que deseja, mesmo que ele tenha que lutar um pouco mais para conseguir, ele luta. Ponha em mente que, piscianos adoram um desafio. Se você for um, ele vai tentar até te desvendar e mesmo que você julgue impossível, ele conseguirá.

Ele vai te contar um milhão de histórias, sobre ele, sobre a cachorra dele que nunca cruzou, sobre a vez que ele fez uma viagem escondido dos pais, sobre as loucuras que ele aprontou na adolescência… De repente você virará noites com ele, rindo e contando tudo sobre você, sabendo tudo sobre ele – ou, pelo menos, a parte que ele queira que você saiba. No telefone, no whatsapp, pessoalmente, não importa o modo desde que você estejam conversando sobre tudo sempre.

Ele é o cara das histórias, não se esqueça, e ao lado dele você viajará para todos os lugares possíveis, quando se der conta, você também estará tão no mundo da lua quanto ele. E ai, já era.
Se você entrar no mundo de peixes, dificilmente você sairá de lá com o coração intacto. Não que ele seja um destruidor de corações, mas, o homem de peixes tem uma facilidade muito grande em apegar e desapegar, e talvez você não esteja pronta para desapegar quando ele estiver.

Ele gosta da conquista. Lembra o que eu disse sobre o desafio? Não se sinta especial se esse cara te mandar flores no meio do seu expediente de trabalho, ele é um conquistador, o famoso Don Juan, e vai tentar de todas as maneiras até conseguir o que quer. Talvez a culpa de você cair na tentação seja do beijo. Que beijo! Ele é daqueles que sempre faz pirraça antes de te beijar, morde, lambe, faz que vai beijar e não beija, mas na hora de beijar ele abre aquele sorriso insuportavelmente delicioso e te beija. Beija com tanta intensidade, com tanta delicadeza, com tanta vontade, que você até acredita ser o amor da vida dele naquele momento, mas não se iluda, é só o jeito dele beijar mesmo.

Dificilmente você esquecerá o beijo dele. Com certeza ele estará na sua lista “TOP 10” de melhores beijos.

Ele é intenso, Chris Martin (Vocalista do ColdPlay) que o diga. Está sempre com os sentimentos a flor da pele, não consegue disfarçar quando está com raiva, com ciúme ou com preguiça de qualquer que seja a situação, e ele nunca manda recado. Ele fala o que pensa. Fala o que sente vontade. Não importa a hora ou o lugar, ele fará com que você saiba que ele não gosta da pessoa com quem você está conversado, ou que você saiba que ele não gostou de alguma atitude sua.

Eu costumo dizer que o homem de peixes não se apaixona com facilidade, embora ele se apegue com facilidade. Sei que parece difícil de entender, mas apego não é amor. Porem quando esse cara se apaixona… Você com certeza vai se sentir a mulher mais desejada, amada e feliz que existe. Ele sabe como fazer as coisas. Ele sabe como fazer você se sentir especial.

É UM ÓTIMO AMIGO. Vai te defender com unhas e dentes, e ele sempre estará lá, e sempre que você precisar de um ombro amigo, de um humorista sem graça para te fazer rir, de um viajante para te fazer companhia, de um sonhador, de um contador de histórias mirabolantes… Ele estará lá.
Sorte tem mesmo as pessoas que tem a chance de ter ele como amigo.

Ele ama como se não houvesse amanha. Será? Talvez vocês só tenham uma relação de uma semana, mas com tanta paixão capaz de superar qualquer casamento de décadas. Tudo com ele é um pouco mais. Fica um pouco mais no trabalho, pois precisa terminar o projeto até o fim da semana. Um pouco mais no bar, afinal a promoção da Budwaiser está acabando. Um pouco mais na sua vida porque por mais clichê que pareça, uma eternidade ao seu lado não é suficiente. Esse cara, vai bagunçar seu coração de uma maneira que só ele consegue, e depois você vai passar o resto da vida tentando arrumar uma bagunça que só ele é capaz de arrumar. É, ele é daqueles que você não esquece.

Depois de conhecê-lo, não importa se ele partiu seu coração, ou não, ele jamais será apenas um conhecido ou passará despercebido por você. Ele será um amigo, um confidente, uma paixão reprimida, um companheiro para as loucuras que você não tem coragem de fazer sozinha, um pedaço da vida que você gostaria de ter, um porto seguro, uma saudade… Ele com certeza será uma saudade. Uma saudade acompanhada a qualquer uma das opções que citei acima, mas uma saudade. É impossível não sentir saudade dele. A parte boa é que quando ele voltar – ele sempre volta – ele vai tratar de colocar tudo no lugar, mostrar que continua o mesmo e deixar mais saudade quando for embora novamente.

Ele vai te ensinar a ver sempre o lado bom da vida. Você vai aprender que bom mesmo é viver perto dele.


Ah se eu pudesse entender a mente de um pisciano… Talvez a graça resida exatamente nisso, não conseguir entender, e mesmo assim permanecer ao lado dele.  

domingo, 17 de setembro de 2017

Nostalgia


É impressionante como a chuva tem o poder de nos fazer refletir e pensar na vida, na verdade se tem duas coisas que possuem as mesmas propriedades de um divã são um bom dia de chuva e um travesseiro no meio da noite, e essas reflexões podem ser muito boas quando nos permitem vislumbrar o quanto mudamos no decorrer da estrada da vida, mas bate também aquela nostalgia dos momentos que vivemos, das pessoas que conhecemos e das emoções que vivemos, as vezes até com um misto de tristeza e saudade, mas acho eu que esta é a função do sentimento de nostalgia, relembrar as experiências vividas e nos mostrar que elas sempre estarão ai para nos mostrar que a vida deve ser vivida intensamente e que sempre haverá alguns talvez no meio do caminho, mas que essa incerteza é a parta mais gostosa da travessia.

quarta-feira, 13 de setembro de 2017

Morto vivo

Já sentiu o coração bater bem forte a ponto de parecer que rasgará o seu peito?
Já amou alguém que se foi?
Já chorou?
Já sofreu por amor?
Já deixou de fazer algo por medo ou quem sabe por apego?
Ja mentiu sobre você para outro alguém amar o seu outro você?
Já viveu intensamente? Externamente ou mentalmente?
Já sentiu sua alma correr para longe e te deixar oco?
Já se perguntou como é nao respirar mais? Não estou falando sobre afogar-se ou ter CO2 contagiando os seus pulmões, tambem não falo sobre prender a respiração por alguns segundos. Estou falando sobre o fim.
Já se perguntou como será o fim? Como é ser encaixotado? Já se perguntou como é estar morto? 
Bem, se você nao sabe a resposta das nove primeiras perguntas, então você sem dúvida sabe bem de cor e salteado as ultimas quatro perguntas.
E aí, chegou a hora de parar de brincar de morto ou vivo, e decidir qual deles você é.

domingo, 10 de setembro de 2017

O enigma de Bruno


Bruno sem foi aquele garoto de 55 anos em um corpo de 25, detestava tudo, baladas, mensagens de áudio no WhatsApp, cutucadas do Facebook e reuniões de família na casa das tias chatas que sempre iriam lhe perguntar sobre a faculdade e “as namoradinhas”, detestava aqueles filmes idiotas de triângulos amorosos ridículos parecidos com mais uma história de uma Maria qualquer em uma novela mexicana que passa em TV aberta as três da tarde.
Mas parece que Bruno estava prestes a viver um paradoxo em sua vida quando ao visitar uma antiga amiga com quem já tinha ficado e desejava ficar novamente (este era o intuito da visita), pois logo o rapaz que detestava esses triângulos amorosos e situações embaraçosas se viu encanto por sua irmã mais velha quase que instantaneamente ao vê-la descer as escadas balançando aqueles cabelos cor de amora, aqueles olhos que mais pareciam duas jabuticabas e aquele sorriso inebriante que irradiava o lugar, foi naquele momento que ele se viu em um dualismo sem fim, queria novamente aqueles lábios já conhecidos ao mesmo tento que sentia que precisava decifrar aquele sorriso enigmático que se pôs à sua frente e foi quando descobriu que escolher é perder e muitas vezes o prazer de novas descobertas pode superar a nostalgia de bons momentos, mas a verdade é que enquanto Bruno não arrumar a bagunça de sua mente e seu coração que mais parecem um quarto de adolescente jamais saberemos o fim, ou início desta história.

quarta-feira, 6 de setembro de 2017

Depois de você

Procuro minhas pegadas por entre as pedras e tento achar o meu ritmo no cair das águas.
Olho para o horizonte e vejo o sol partir e questiono-me se eu estaria indo junto com ele.
Eu olho para a terra que toca o céu e penso que ela é enganada pela ilusão do olhar, e se ela tão intensa e tão densa pode ser enganada, quem dirá eu.
Eu tento me sentir no bater do vento mas é apenas oxigênio. Eu tento agir no calor das chamas, mas não há saída.
Por uma vez ou outra eu colhi algumas conchas e tentei ouvir-me, não esperava o canto de uma sereia, eu só queria a mim, um sussurro ou até um grito de alguém claustrofóbico.
Eu me procurava por entre a beleza, por entre terra, ar, água e fogo. Eu me perdi entre a firmeza da tua mão sobre a minha, do teu lábio no meu, na ardência que me fez sentir e nunca me encontrei novamente. Continuo me procurando por entre a beleza do mundo, mesmo sabendo que eu só posso me encontrar em você. Ideia oposta.
Lembro-me como te amei naquele beijo. Te guardei em uma caixinha de diamante, sem abertura, sem possibilidade de volta, te coloquei, tranquei e não há como desfazer.
Quando partiu naquela noite eu implorei aos santos, deuses e entidades que te trouxesse de volta e a resposta foi um sólido não. Então esperei-te, esperei e esperei arduamente, até que a espera me consumiu, tão comum quanto o ar, até que passou a não fazer diferença, até que passou a ser nada.
Porém hoje quando acordei, olhei-me no espelho e não me vi, talvez não fosse tão normal assim, talvez não fosse tão "nada" assim. Olhei para o carro na garagem e só pude pensar em partir.
O carro faz a curva e lembro-me da curva dos seus lábios que tocavam os meus de maneira calorosa. Lábios estes que tocavam o meu pescoço e me arrepiava. Lábios que me levavam a loucura. Lábios que recitavam poesia para a minha alma, que me davam bons conselhos e ruins também.
Uma luz vem em minha direção: ah não! Faróis! QUASE, ufa! Foi como a primeira vez que tentou me beijar, desviei-me e foi exatamente este ato que te fez realmente me amar.
Em uma grande avenida preciso de passagem, um estranho concede, toco duas vezes a buzina agradecida e foi quase assim quando ambos foram correspondidos.
E agora eu vejo os carros para trás, essa é a pior parte ou então o começo dela, você ficou para trás na minha vida e eu assim também fiquei na sua.
E essa chuva repentina é parte da minha melancolia, da minha saudade e solidão. Ela é parte das minhas lágrimas que não me deixam enxergar a frente.
Entro na estrada de terra que dessa vez não me diz nada, talvez seja o meu futuro após um abandono, talvez eu mesma tenha que construir algo ao seu redor e até mesmo asfaltá-la, mas não importa o que eu faça a poeira nunca abaixará.
Talvez se eu ascender o farol alto nesta escuridão da noite, eu te veja no final da estrada ou veja um abismo, mas não há nada.
Desligo então o carro por que eu não consigo seguir em frente sem você no banco do passageiro.

domingo, 3 de setembro de 2017

BEN & MELISSA - Parte IV

Ressaca moral. Esse é o pior tipo de ressaca que um homem pode ter. A ressaca da alma. Minha cabeça está doendo tanto que mal consigo abrir meus olhos, o sol está forte do lado de fora da janela, e eu nem me lembro como cheguei no meu apartamento essa madrugada. Mas pior do que a dor de cabeça e o estômago revirado é a dor no coração. Melissa não fala comigo desde aquela sexta no bar do Wood. Tentei ligar, mandei mensagem, já faz três dias que faço plantão na casa dela, e nada, ela entra e sai e finge que não me vê, finge que não me ouve, finge que não liga, mas eu sei que ela sabe que liga. Ela liga tanto que está lutando consigo mesmo para não me deixar entrar.
Olhei meu despertador na mesinha do lado da cama e nele está marcando 12:53 de um domingo, eu sei que vou precisar de muita força para levantar, me orientar, tomar uma ducha e ir para o apartamento de Melissa com outro buquê de rosas. E é exatamente isso que faço, com determinação abro meus olhos e encaro a luz do sol, me levanto e como planejado eu tomo minha ducha, coloco uma roupa legal porém simples, calço os chinelos e uso o perfume preferido dela, pego as chaves do carro e vou. Enquanto dirijo começo a me perguntar o porquê de querer tanto dar uma explicação para ela, chego a conclusão que talvez ela seja mais importante do que eu supus, caso contrário eu não estaria tentando me explicar. Já são quase 14 da tarde, passo na floricultura de sempre, mas dessa vez escolho rosas brancas. Uma vez, em um dos nossos encontros, ela colocou um filminho meloso para assistirmos, confesso que até gostei do filme, era uma adaptação de A Bela e a Fera com aquela atriz que fez High School Musical, e vi que ela ficou emocionada quando o rapaz entregou para a moça uma rosa branca, e a moça disse que rosas brancas significam "eu sou digno de você". Comprei cinco dúzias de rosas brancas, pois sei que sou digno dela e sei que mereço uma chance de me explicar e provar isso.
Entrei às pressas no prédio e pedi ajuda ao porteiro com as rosas, eu e "Seu João" pegamos o elevador, apertei o 5° que era o andar dela e depois de colocar todos os buquês no chão abracei "Seu João" e pedi humildemente que ele me enviasse boas energias lá da portaria, melhor do que isso ele me disse: "Eu te desejo sorte, filho..." , estendeu a mão segurando uma chave familiar entre os dedos, a chave do apartamento dela, e antes que eu pegasse ele continuou a falar: "mas, se você partir o coração dessa garota mais uma vez sou eu quem vai partir sua cara!" - me abraçou e após alguns tapinhas nas minhas costas ele suspirou e continuou: "Agora entra aí e faça o que você veio fazer, mas dessa vez faça direito". Nem tive tempo de agradecê-lo, fiquei tão embasbacado que não consegui proferir uma única palavra, quando dei por mim "Seu João" já havia descido para a portaria novamente.
Entrei no apartamento mais do que depressa, sabia que Melissa não estava lá, uma vez que seu João estava com as chaves era porque ela havia saído e por medo de perder-la sempre deixava com ele na portaria. Não sei qual desculpa ele daria para ela quando chegasse, mas já que eu tinha uma oportunidade eu ia aproveita-lá.
Espalhei rosas por todo o apartamento começando do carpete de boas vindas que ficava abaixo da porta de entrada, sai fazendo um caminho de rosas brancas que seguia até o quarto dela e em cima da cama eu espalhei o restante das rosas, deixando somente uma em minhas mãos para que eu entregasse à ela. Eu não sabia exatamente o que estava fazendo, mas estava fazendo. Minhas mãos estavam suadas, eu até estava tremendo, o que me deixava ainda mais nervoso por nunca ter me sentido assim antes, me sentei a beirada da cama de casal dela, de frente para a porta do quarto (que estava fechada) e resolvi esperar por ela ali.
Não demorou muito e pude ouvir a porta se abrir, ouvi risos que significavam que ela não estava sozinha, meditei por um instante se isso era realmente necessário e antes que minha cabeça pudesse me convencer do contrário repeti em voz alta, porém audível somente para mim mesmo, um grande e sonoro: sim. Os risos se intensificavam a medida que os passos se aproximavam do quarto, mas era perceptível que nenhuma daquelas risadinhas era masculina. Parecia uma eternidade, até que finalmente ela abriu a porta. Ergui meus olhos lentamente até os dela, e pude perceber que ela não sabia porque e como eu estava ali (não sei qual a desculpa que o "Seu João" inventou, mas funcionou porque era perceptível seu espanto). Atrás dela consegui ver duas de suas melhores amigas que estavam tão boquiabertas quanto ela e que me olhavam um tanto desconfiadas também.
Melissa cabisbaixa, segurando a maçaneta da porta com uma das mãos e a outra na cintura, após longos minutos de silêncio e mordidas nervosas em seus lábios falou com a voz serena porem fria o bastante para ferir meu coração: "Posso saber o que você está fazendo aqui Benjamin? Que tipo de maníaco louco você é? " - e então com a voz um pouco mais firme e alta ela desabafou - " Você não poderia simplesmente parar com isso e desaparecer? Já não foi o bastante aquela noite no Woods? Você precisa vir na minha casa todos os dias para me fazer lembrar o quão estúpida e burra eu fui por acreditar que podíamos ter algo? Você... " - ela engasgou, colocou as duas mãos no rosto e começou a chorar. Nenhuma das amigas tentou consola-la, nem eu, nós sabíamos que quando Mel chorava ela só queria chorar, não queria ninguém dizendo para que ela parasse, principalmente naquela situação. Após vários minutos de lágrimas ela se recompôs e continuou - " Porque você não me atendeu, Ben? Porque você não retornou pelo uma vez para me dizer que não queria mais me ver ? Porque você foi tão covarde a ponto de não conseguir nem me dispensar?!"
Eu não sabia o que falar. O silêncio mais perturbador e doloroso que já presenciei se instalou no quarto. Melissa estava com os olhos inchados, a pontinha do nariz e as bochechas vermelhas, e eu amava ver o nariz e as bochechas dela assim, mas não por aquele motivo, ela sempre ficava vermelha quando estava com vergonha ou com frio. Me envergonhei porque achar ela linda mesmo após ter chorado por minha culpa. Sim, minha culpa. Ela suspirou decepcionada. Uma. Duas. Três vezes. E eu ainda estava tentando entender o que exatamente eu falaria, não estava nos planos nada daquilo, eu só queria me desculpar e fim. E então, sem planejar, sem ensaiar a frente de espelhos, sem saber o que falar em uma situação daquelas, estendi a mão com a rosa em sua direção, suspirei e comecei: "Eu sou digno de você"! - Melissa sorriu ironicamente, quase que incrédula por eu estar sendo tão clichê com aquela frase, mas antes que ela pudesse falar qualquer coisa eu continuei - Uma vez conheci uma garota incrível em uma boate, ela não tinha nada de comum embora referisse a si mesma como comum e sem graça. Usava um vestido preto, e não usava maquiagem nenhuma além de rímel, mas sabe o que mais me encantou nela? Ela não usava maquiagem na alma. Após um longo papo sobre cantadas idiotas consegui o telefone dela, e liguei na mesma noite, liguei durante três meses, sempre que eu tinha uma folga na empresa saíamos para fazer algo. Ela me falava sobre a vida, sobre os sonhos que ela tinha e sobre os que ela deixou para trás por achar que não serviam para ela. Largou a faculdade de direito porque se dizia decepcionada com o curso, mas ela nasceu para aquilo, qualquer um poderia ver, bastava que ela começasse a falar sobre leis, justiça, defesas e filmes policiais, na maioria das vezes eu não entendia nada do que ela dizia, mesmo assim eu sorria, balançava a cabeça afirmativamente e achava ela linda. Acho ela linda! E inteligente! Aquela garota preencheu meus dias de coisas que eu não me lembrava mais que existia: sentimentos, sorrisos, filmes românticos, e musicas daquele idiota do Sam Hunt que acabaram com a memória do meu celular e que hoje são as minhas preferidas, pois são as que me fazem lembrar dela. Dança Ariana Grande e tentava cozinhar mesmo quando sabia que era péssima nisso. - Suspirei me lembrando de "Take Your Time" do Sam Hunt e ela dançando "Into You" da Ariana Grande uma vez no apartamento dela. Sorri e percebi que os olhos dela lacrimejavam, mas dessa vez percebi que ela também sorria, pois sabia do que eu estava me lembrando. - Conheci essa garota incrível. Vivi momentos incríveis com ela. No quarto , neste quarto - nós dois gargalhamos baixo -, na sala, na cozinha, no banheiro -continuamos sorrindo - e além disso tudo vivi momentos incríveis com ela no cinema quando ela molhou minha camisa de tanto chorar assistindo "Como Eu Era Antes de Você", ou quando ela escondia os olhos nos meus ombros quando assistimos "A bruxa de Blair". Vivi momentos incríveis com ela no restaurante japonês quando ficava jogando comida crua em cima de mim e reclamava sem parar "Não sei como você aguenta comer essas porcarias, vamos comer frituras, Ben!". O mais incrível é que ela sempre fazia questão de ir no japonês comigo, ela dizia que gostava de me ver comer, mas eu descobri que ela gostava mesmo era de mim. Conheci essa garota incrível e a perdi. Fui um babaca. Não retornei as ligações. Não atendi as chamadas. Ouvi cada uma das mensagens deixadas na secretaria eletrônica e apaguei cada uma depois de ouvi-las, porque eu sou um covarde. - abaixei minha cabeça e silenciei por um instante.
Mel... - olhei em seus olhos novamente - Eu estou aqui por que naquela noite quando te vi naquele bar, quando vi você parada me olhando, eu percebi que não queria nada alem de você. Uma vez, meu pai me deu um conselho muito sábio quando eu ainda era um menino. Eu o questionei sobre a mulher certa e ele disse que eu saberia no momento em que colocasse meus olhos nela. Que nada mais importaria além dela. E ele disse: "Filho, quando você encontrar essa mulher, vá atras dela e pegue-a. Não a deixe ir embora. Não a deixe escapar. E se você fizer essa burrada, trate de consertar. Lute por ela. Não seja uma idiota como seu pai foi quando deixei sua mãe partir. Simplesmente vá atrás dela e prove para ela que você é digno dela. Que só você pode fazer ela feliz...". E é isso que eu estou fazendo aqui. Eu não pude te segurar pelo braço naquela noite e dizer o quanto eu quero cuidar de você quando se cortar na droga do espelho do banheiro. - Melissa soluçou alto e deixou lágrimas escorrerem pelas bochecha ainda avermelhadas - Que as noites mais tranquilas que dormi foram ao seu lado. Que eu sinto seu perfume mesmo quando não tem ninguém por perto. Eu quis te segurar pelo braço e dizer que aquela mulher no bar era apenas uma velha amiga e que talvez eu até a levasse para casa mais tarde, para a casa dela e não seria para transarmos, mas sim pelo fato dela estar bêbada demais para ir sozinha. Eu quis ir atras de você naquela noite, para te segurar pelo braço e dizer que eu não iria te soltar nunca mais, porque nunca na vida eu quis tanto algo como eu quero você e já que eu não consegui fazer isso naquele dia eu estou tentando fazer agora. - Melissa continuou me olhando com lágrimas nos olhos, estendeu a mão e pegou a rosa que eu ainda estava segurando em sua direção. Assim que ela focou meus dedos e segurou a rosa, puxei-a lentamente para perto de mim pelos dedos, encostei sua cabeça em meu ombro e abracei-a. Senti ela respirar fundo e chorar, quando finalmente sua respiração se acalmou segurei seu queixo e levantei sua cabeça, enxerguei as lágrimas com meus polegares e beijei com delicadeza seus lábios que estava molhados e salgados por causa do choro. E então sussurrei... - Eu nunca pensei que fosse me apaixonar por você. Eu nunca fui o tipo de cara que se apaixona, mas quando você sorriu naquela boate, naquele dia, naquela hora, naquele momento eu soube que estava perdido. E depois quando eu te liguei para ter certeza de que não havia me passado o número errado, eu tive certeza que eu estava muito perdido, mas ... foi no dia em que fizemos amor pela primeira vez, nesta cama, neste quarto, que eu me dei conta de que eu realmente estava fodido. Eu me dei conta de que você havia roubado mais de mim do que minha atenção, você roubou meu coração.
Então eu quero que você entenda de uma vez por todas que eu sou sim digno de você, Melissa Amaral. Sou digno de ser visto ao seu lado, sou digno de poder amar você, foder você, fazer amor com você, mas principalmente sou digno do seu amor. Só diz que não é tarde e que me aceita de volta, por favor!" - Ela me olhou nos olhos e sorriu daquele jeito que eu amo, e com carinho esfregou o nariz no meu dizendo : "Você nem precisava dizer isso tudo, embora eu tenha realmente amado cada parte. Você me ganhou com a primeira frase e vou te responder usando ela. Como é mesmo?! "Eu sou digna de você, Benjamim Carter!".
E nós terminamos nossa noite apaixonados, enrolados um no outro e transando como loucos. Ela me tem por inteiro, e olha que louco, ela é minha. Completamente minha.