quarta-feira, 11 de abril de 2018

“Saudade é o amor que fica”

As vezes, eu fecho os olhos e agradeço por você ter feito parte da minha vida.
Simples assim. Apenas por você ter passado como furacão e ter mudado todas as coisas de lugar dentro de mim.
Eu fico repetindo: “Obrigada, Senhor. Obrigada!” - Como algum tipo de mantra, entende? Como se quanto mais eu repetisse, maior seria a probabilidade de você nunca me deixar - ou melhor, de você voltar.
Uma vez, eu li em algum lugar que “saudade é o amor que fica”. 
Essa frase me marcou. 
Porque saudade é nada mais, nada menos que isso: O amor que ficou, que eternizou, que floresceu e floresce a cada dia dentro do peito, se fazendo presente mesmo quando está ausente. Não encontrei até hoje uma definição melhor do que essa para saudade. 
Quando alguém deixa saudade em nós é porque nós amamos aquela pessoa, é porque vivemos momentos bons com ela, e esse amor, ele está lá dentro da gente, ele pulsa, ele vive.
Eu quase consigo sentir seu cheiro quando penso em você. Sabia? 
Quase consigo ouvir sua voz quando estou sozinha em casa. 
Eu quase consigo te abraçar. 
Eu quase consigo sorrir sem me martirizar por estar sem você. 
Eu quase consigo seguir em frente, quase consigo me apaixonar novamente. 
Um dia desses eu ouvi uma piada engraçada, e a primeira coisa que pensei foi: “Poxa! Como eu gostaria de contar a ele!”
E eu quase consegui ouvir sua gargalhada depois que eu contasse a piada. 
A saudade é isso, é a constante sensação de que você está aqui, mesmo sem estar. Porque não importa a quantos quilômetros de distância você esteja, nem com quem está... Eu ainda sinto você aqui. Ainda acordo assustada por causa do despertador que você deixou na cabeceira, ainda te xingo mentalmente por ter esquecido de colocar o lixo para fora, ainda brigo sozinha porque você ter deixado a toalha em cima da cama antes de ir embora, ainda reclamo dos sapatos que ficaram espalhadas pela casa... mas nunca os guardo. Parece que se eu guardar vou estar assumindo que você não vai voltar, então, eu travo essa batalha interna todos os dias comigo mesma quando encontro qualquer um dos seus pertences espalhados, embaixo da cama, ou os chinelos no cantinho do banheiro... Eu respiro fundo e simplesmente os deixo lá, porque espero que você volte um dia para guarda-los no lugar. Fazer isso por você seria o mesmo que assumir que desisti. E quando se trata de você, eu não desisto. 
Sei que parece loucura, mas há momentos em que me esqueço que você não está mais em casa, e te chamo. 
Uma. Duas. Três. 
E cada vez que te chamo e não ouço resposta meu coração se afunda um pouco mais. Dói. Não aquele tipo de dor palpável, que se pode tomar ou passar um remédio para aliviar, mas aquele tipo de dor que não sabemos onde começa ou termina, parece que o corpo todo dói, mas é só o coração. 
Há tem dias que eu finjo que você saiu para comprar pão e que logo vai voltar para casa.
Eu fico repetindo: Ele vai voltar. Mas quer saber? Nem o cachorro acredita mais. 
E por falar em cachorro, acho gentil da sua parte ter deixado o lembrete na geladeira, sobre a importância de não esquecer de alimenta-lo. Quase sempre tenho a impressão que ele sente sua falta tanto quanto eu. 

E é assim... Meus dias são preenchidos com lembranças de você. Com imagens de você saindo do banheiro e pingando água na casa toda, e do seu sorriso sapeca quando sabia que estava fazendo algo que eu não concordava, ou imagens de você sentado à mesa da cozinha enquanto esperava ansioso o nosso jantar. As lembranças mais banais são as que eu mais gosto. Como você voltava suado da corrida pela manhã, ou a maneira como você sabia girar uma panqueca no ar... O sorriso de lado quando sabia que eu estava te observando, ou o sorriso grande quando você não notava, mas eu estava te observando. O beijo que você dava na minha clavícula quando eu estava distraída, ou o beijo na testa quando eu estava de saída. Tudo, qualquer coisa me faz lembrar você. 

Eu acho que não vou me acostumar nunca... E se saudade é o amor que fica, talvez eu sinta saudade de você para sempre. 

domingo, 8 de abril de 2018

Senta aqui moça, vou te contar um segredo.
Não é nada que você nunca tenha ouvido - espero.
Está preparada? Lá vai...
VOCÊ É INCRÍVEL!
Sim, você é, mesmo de unha quebrada, despenteada, sem maquiagem, desarrumada. Você é incrível!
Mesmo acima do peso, mesmo fora dos padrões, mesmo desacreditada, mesmo julgada, mesmo menosprezada, mesmo subestimada. Não ligue, porque você é incrível.
Uma vez, alguém me disse que somos feitos de detalhes, que as pessoas nos conquistam e nos perdem nestes pequenos detalhes, cada dia mais. Acho que nunca escutei uma definição tão certa para relacionamentos.
É nos detalhes que percebemos a importância que temos na vida das pessoas, é nos detalhes que percebemos a importância que as pessoas têm na nossa vida.
Eu sei, a vida é corrida, o tempo é implacável, os ponteiros do relógio não param pra que possamos pensar, nem volta atrás para que possamos consertar algumas coisas, deixar de falar algumas palavras, ou falar no momento certo, a coisa certa. É isso, os detalhes.
Ter você segurando minha mão durante toda a minha gravidez: detalhe!
Atender seus telefonemas altas horas da madrugada para te dizer “você vai ficar bem”: detalhe!
Ter você fazendo brigadeiro para me alegrar em tardes que eu não estava querendo estar alegre: detalhe!
Rir de coisas sem sentindo, me lembrar de você sempre que via algo engraçado e correr para te contar: detalhe!
Ter você saindo da faculdade e vindo direto para minha casa almoçar comigo: detalhe.
Ser você a primeira pessoa a saber que eu estava grávida: detalhe.
Ter você segurando minha mão quando eu não conseguia ficar de pé: detalhe.
Estar sempre de braços abertos para você, não importa quantas vezes eu tenha tentando te alertar sobre coisas que você não conseguia ver: detalhes.
Ter você, moça, me lembrando que sou linda, mesmo quando eu não conseguia me olhar dessa forma: detalhe!
Nunca julgar suas escolhas. - detalhe.
Ver você passar pela porta da maternidade e segurar minha filha: detalhe.
Sentir saudade do seu sorriso ou do jeito como você me fazia sorrir: detalhe.
Ter você compartilhando fotos do crescimento de minha filha: detalhe.
Te amar como se fosse minha irmã: detalhe.
Ter você prometendo que seríamos inseparáveis: detalhe.
Ver você não cumprir essa promessa: detalhe.
Ver você se afastar porque divergimos em alguma coisas: detalhe.
Não conseguir te ajudar quando eu sei que você precisava de ajuda: detalhe.
Sentir sua falta e não poder te dizer: detalhe.
Não ter estado lá quando você precisou de mim: detalhe.
Não te ver no parabéns do aniversário de dois anos de minha filha: detalhe.
Não ter te convidado: detalhe.
Esperar que você me procure novamente: detalhe.
Saber que talvez isso não aconteça: detalhe.
Não poder te abraçar no seu aniversário, ou comemorar com você: detalhe.
Não receber seu abraço no dia do meu aniversário, ter recebido “parabéns” um dia depois: detalhe.
Senti sua falta quando cantaram meu parabéns: detalhe.
Te amar como se a vida nunca tivesse nos afastado: detalhe.
Estarmos afastados como se nunca estivéssemos estado perto uma da outra: detalhe.
Detalhes. Pessoas que nos perde e nos ganha. Pessoas que perdemos e ganhamos.
Sabe, moça, não importa.
Está tudo bem! Nós estamos bem.
Eu queria poder te ligar e dizer que vou casar, que compramos um apartamento e que agora você poderia me visitar na minha casa. Eu queria poder dizer que aquele plano de estarmos no casamento uma da outra, na igreja, talvez não funcione para mim, eu dispensei a igreja, mas que eu gostaria muito de te ver lá no cartório.
Eu queria poder te ligar e dizer que sinto saudade, pra você passar aqui em casa depois do trabalho porque quero te ver.
Eu queria poder te dizer que sinto ciúme daquela sua amiga, mesmo sabendo que não tenho direito.
Eu queria te ligar e dizer que tudo bem, que eu te dou o seu espaço, e que há dias que nem me lembro o quanto sinto sua falta, mas há outros, moça, que parece que meu coração vai explodir, e eu tenho que olhar todas aquelas fotos novamente, TODAS, para ter certeza que você não foi apenas um sonho bom que eu tive.
Você é incrível demais para viver em conformidade, não se esqueça disso.
Você é linda de qualquer jeito, não se esqueça disso.
Eu vou estar sempre aqui, lembre-se sempre disso.

sexta-feira, 6 de abril de 2018

Fica só esta noite?


Eu o encontrei uma certa noite, uma dessas incontáveis noites em que a gente só quer se divertir, se aventurar, esquecer o mundo lá fora e viver. 
Ele estava conversando com um amigo, sobre times de futebol e sorrindo debochadamente da opinião desse amigo, mas vez ou outra ele me olhava de escanteio e virava mais um gole da garrafa de cerveja. E sim, eu estava prestando mais atenção do que gostaria.
Bonito demais para ser inteligente - eu pensei. Eu estava errada, tão bonito quanto inteligente. Ele é daquele tipo que não gosta de se gabar, mesmo falando mais de três idiomas. 
Passamos tanto tempo conversando, sobre tanta coisa naquela noite. Sobre os pais dele que se separaram quando ele era muito novo, e sobre o porquê dele ter escolhido a faculdade de Direito. 
Ele me contou sobre os três cachorros que ele tem, e sobre as cidades que ele ainda quer conhecer no Brasil. 
Ele sorria e eu não conseguia respirar. 
Quando ele me deixou em casa e não pediu meu número de telefone, eu pensei que talvez eu não tivesse tanta sorte assim... Que caras como ele não são do tipo que se encontra na balada em uma noite qualquer e que com certeza ele já tinha alguém. 
Mas aí bateram à porta, e quando eu abri ele encarava o chão enquanto balançava a cabeça e resmungava o quanto era idiota até que me notou ali, com a porta aberta, parada a sua frente. Ele sorriu, mais uma vez, aquele sorriso lindo que ele tem, e disse coçando a nuca, como se estivesse envergonhado demais e aquela fosse a primeira vez que ele pedisse o telefone de uma garota. 
_ Seria muito abuso da minha parte pedir seu telefone? 

E depois disso vieram cinemas, shows, brigas intermináveis por causa dos times de futebol, amigos compartilhados, beijos em partes do corpo que eu nem sabia que existia. 
Vieram os planos, os sonhos, os defeitos que eu acabei aceitando porque fazem parte dele, e eu amo cada parte dele. 
Vieram as viagens, os momentos, as fotos, os problemas e as qualidades que eu admiro tanto nele. 
Ele é tranquilo, eu sou eufórica.
Ele é irônico, eu sou sarcástica. 
Ele debocha, eu acho graça. 
Ele sorri, eu amo. 
Ele ama, eu sorrio. 
Ele dorme de lado, eu de bruços. 
Ele é canhoto, eu sou destra. 
Ele canta, eu escrevo. 
Ele é da direita, e eu sou da esquerda. 
Ele tem ciúme, eu finjo não ter. 
Ele tenta apaziguar, eu quero brigar. 
Ele me beija, eu esqueço de tudo. 
Ele esquece de tudo, eu perdoo.
Ele não faz juras, eu faço. 
Ele conquista, eu já sou dele. 
Ele discorda, eu ignoro. 
Ele ignora, eu fico brava. 
Ele não atende telefone, eu brigo.
Ele briga, eu desligo o telefone.
Ele pede desculpa, eu choro. 
Ele chora, eu abraço. 
Ele ama, eu amo. 
Ele vento, eu furacão. 
Ele rio, eu mar. 
Ele quente, eu frio. 
Ele aqui. Agora. E eu sortuda demais para descrever.
Só sussurrado em seu ouvido enquanto ele cochila: Fica só mais essa noite? 

E ele sorri e responde: Fico, para sempre! 

quinta-feira, 22 de março de 2018

Paz e Amor, só se for com você.


Eu quero paz. 
E quero você me beijando quando sabe que estou com raiva. Quero seu sorriso quando eu estiver falando alguma coisa séria. Quero você tirando sarro do meu jeito de brigar.Eu quero paz.E quero seu perfume no meu travesseiro, quero suas meias espalhadas na nossa sala, quero a facilidade que você tem para me deixar nervosa, e principalmente a espontaneidade que tem para me acalmar.Eu quero paz.E quero seus sapatos jogados embaixo da nossa cama, quero seus discos tocando no som, quero os filmes de ação que tanto odeio, mas vejo por você, quero seus cochilos durantes meus filmes de romance, mas que você vê por mim, ou, pelo menos, tenta.Eu quero amor.Quero ouvir sua respiração quando estiver dormindo, quero sorrir para você quando não estiver vendo, quero te amar mesmo quando você não merecer, quero te odiar pelo menos uma vez por dia só para ter certeza que te amar é muito melhor e me faz muito mais feliz.Eu quero amor.E quero você sorrindo pra mim quando pensa que não estou vendo, e quero você me cobrindo nas noites em que esqueço de me cobrir, e quero os beijos na testa quando eu estou dormindo. Quero suas mensagens perguntando onde eu guardei os copos, porque você nunca sabe onde estão as coisas, e quero você me perguntando sobre qual carro deve comprar.Eu quero amor.E quero acordar sabendo que vou te encontrar, quero dormir sabendo que você está aqui para me proteger, quero fazer planos para poder realizar com você, quero brigar e fazer as pazes segundos depois com você.Eu quero paz e quero amor.Eu quero você.E quero toda paz que você me traz quando sorri. Quero suas covinhas me visitando quando eu estiver desanimada e assustada, quero seus abraços quando eu estiver com medo. Quero sua paciência com minhas manias estranhas. Quero a serenidade que você me passa quando nem eu mesma consigo me entender, mas você misteriosamente consegue. Quero a certeza de que tenho você e a estabilidade que estamos construindo.Eu quero amor, e tem que ser com você, tem que ser você!x
x

sexta-feira, 9 de março de 2018

A NECESSIDADE DE AMAR POR INTEIRO





Uma vez alguém muito importante disse que o fato de alguém não nos amar como nós queremos não significa que esse alguém não nos ame com tudo que possui e pode.Mas vai explicar isso para um coração apaixonado. É amigo, coração apaixonado dita as próprias regras, possui seus próprios medos, escolhe porquê e por quem sofrer, e muitas vezes escolhe a pessoa errada. Tudo o que ele quer? Reconhecimento. Reciprocidade.E algumas vezes isso é tudo que não se pode ter.Amar por inteiro é estar por inteiro com quem se ama. Amar por inteiro é ser honesto consigo e com quem se ama. Amar por inteiro é não ter pendências sobre antigos relacionamentos, e principalmente, nunca, em hipótese alguma ter dúvidas sobre o atual. Amar inteiro é saber que em algum momento vai errar, que é inevitável e faz parte do ser humano, mas muito mais que isso é saber reconhecer quando isso acontecer. Amar por inteiro é estar presente, participar, e mesmo quando estiver ausente fazer com que sua ausência seja sentida pela falta que sua presença constante causou. Amar por inteiro é não deixar espaços para a insegurança, é demonstrar em todos os momentos a importância de alguém na sua vida. Amar por inteiro é brigar, dizer que nunca mais vai voltar, enlouquecer com as diferenças de gosto, de escolha, de vida… E no final de tudo constatar que qualquer coisa você pode aguentar, menos ficar longe da pessoa amada. Amar por inteiro é nunca ir embora quando ela te mandar ir embora, é nunca abandonar quando ela precisar de você. É permanecer.As vezes o amor é egoísta – a grande maioria das vezes – e é preciso amar por inteiro para conseguir entender que por trás de todo egoismo, de todo medo, de toda insegurança podemos nos considerar pessoas de sorte, apenas pelo fato de quem a gente ama nos amar de volta.De tudo, essa é a grande lição: A maneira pouco importa desde que seja amor e que seja por inteiro.

quinta-feira, 18 de janeiro de 2018

_ Você vai ficar bem? - ele perguntou depois de um longo abraço.
Neste momento o tempo parou. Fechei os olhos, e embora eu soubesse que só haviam se passado alguns minutos, parecia uma eternidade.
Eu imaginei a minha vida sem ele.
Imaginei todas as coisas que eu poderia fazer sem ter a quem dar satisfação, imaginei toda a liberdade que eu teria. Imaginei a paz de não ter que brigar sempre pelos mesmos motivos. Imaginei não ter que conviver com a teimosia, com a implicância em dias de futebol, com as piadas sem graças sobre um tal de “Joãozinho”. Imaginei tudo que eu dançaria, as noites dormindo fora de casa, as pessoas que eu conheceria, os beijos que eu ganharia. Imaginei uma vida sem ele, uma vida que não é minha.
E aí eu entendi que eu queria mesmo era acordar com a mensagem de bom dia que ele me mandava, todos os dias. Que eu trocaria qualquer festa pelo domingo abraçado no sofá, que as piadas não eram sem graça, afinal.
Eu entendi que o melhor beijo que eu poderia ganhar, era o dele. Que o melhor abraço sempre era o dele, e que o único sorriso que me fazia perder o ar era aquele que ele dava quando me via.
De que vale a liberdade se eu não vou poder usá-la para passar na casa dele sempre que eu sentir saudade? De que vale dormir fora de casa se não é na casa dele que eu vou amanhecer no outro dia? A melhor música ainda não será suficiente para me fazer esquecer a nossa música.
E eu ainda vou sentir saudade, ainda vou procurar o cheiro dele no meu travesseiro quando eu for dormir, ainda vou me pegar querendo falar da vida alheia com ele depois de um dia exaustivo de trabalho, ainda vou querer receber um beijo no pescoço enquanto cozinho qualquer coisa para o jantar. Ele ainda vai estar em mim. Não importa o quanto eu dance, ou quantas bocas eu beije, ou quantas viagens eu faça.
A verdade, é que eu não vou ficar bem. Tá difícil até de respirar agora que eu sei que não vou mais poder beija-lo a hora que eu quiser, ligar e pedir carinho só pra ver ele me mimar, dormir protegida pelos braços mais fortes e confortáveis que eu tive a oportunidade de conhecer. Meu coração parece que nunca mais vai voltar a ser o mesmo, na verdade, no lugar dele agora só existirá um buraco. Um grande, enorme buraco.
Eu ergui minha cabeça, olhei aqueles olhos castanhos, os cílios grandes que os emolduravam, o nariz, a boca vermelha, a barba por fazer que agora, eu já sinto falta. Gostaria de ter dito que eu nunca ficaria bem, os olhos embaçados dele me diziam que ele também queria que eu dissesse isso, mas não foi isso que eu disse.
_ Eu vou ficar bem. - senti as mãos afrouxarem o aperto de minha cintura, as lagrimas presas naqueles olhos que me mostraram a vida, deslizaram lentamente pelas bochechas, escorreram até a boca, e ali ficaram. Selei com um beijo lento, delicado e pude sentir o gosto salgado das lágrimas dele.
Eu menti. Um pedaço meu morreu naquele instante. Meu coração gritava enquanto ele se virava e caminhava para longe de mim, e eu sabia que choraria por um longo tempo essa perda. Choraria até me sentir vazia de todo sentimento, choraria todo amanhecer quando ele não estivesse andando seminu no meu apartamento enquanto preparava o nosso café, todo entardecer quando ele não ligasse para dizer que sente saudade e me lembrar de passar no mercado, e choraria ao anoitecer, por saber que ele não diria que me amava antes de adormecer, que ele não sussurraria safadezas para me excitar, mas principalmente por saber que no outro dia ele não estaria lá, e que eu teria que encarar mais um dia sem ele, sozinha.

É que às vezes só o amor não basta.

- Maria Fernanda Sollero

segunda-feira, 13 de novembro de 2017

Meu Amor


Sei que não deveria começar esta carta te chamando dessa maneira, há muito tempo você deixou de ser meu para ser de qualquer outra pessoa, mas é inevitável o pronome possessivo quando se trata de você.
Meu coração, que não bate da mesma maneira desde que você se foi, está gritando por redenção, mas como dizer a ele que você não volta mais, ou como dizer a ele que é melhor se acostumar com sua ausência? Hoje entendo que o coração é um órgão teimoso, mas burra mesmo é a minha cabeça.
Constantemente ela me lembra de você.
Aí ela começa a me pregar peças, vejo você no espelho, sinto seu cheiro pela casa, ouço sua voz… Talvez eu esteja ficando louca. Talvez seja só a saudade me fazendo uma visita.
E por falar em saudade, por onde anda você?
Será que conseguiu fazer aquela viagem que tanto queria? Será que está deixando a barba crescer? Será que ainda esquece de tirar as meias para dormir? Será que ainda se resfria quando muda o tempo?
Eu me lembro de ficar te importunando sobre o ventilador ligado, o pés descalços e o agasalho nas noites frias. Será que tem alguém fazendo isso por você?
E será que você criou coragem e fez aquela tatuagem? Será que você ainda esquece de colocar comida pro cachorro? Será que sua gargalhada ainda faz as pessoas morrerem de tanto rir?
Fico me perguntando se você ainda conversa enquanto dorme, e se ainda se recusa a usar a coberta mesmo no tempo frio, se sua samba canção preferida ainda está com aquele furo no bumbum, se você ainda toca violão nas tardes de domingo, e se você ainda me ama. Você ainda me ama?
Um dia, talvez, eu acorde e você não esteja mais no meu coração. Talvez eu me levante da cama e não olhe mais para o lugar vago que fica ao meu lado – este mesmo lugar que você ocupou por tanto tempo e que mesmo agora, longe de mim, ainda sinto como se te pertencesse. E ai eu só vou me levantar, me espreguiçar e ir tomar meu café. E por falar em café… Talvez eu não sinta mais saudade do seu café, de acordar com aquele cheiro delicioso que me invadia a alma todas as manhãs. Você sempre dizia que para que o dia fosse bom o café era primordial, desde então, eu que nem gostava de café me recuso a sair de casa sem tomar uma xícara. E neste dia, eu vou simplesmente preparar meu café sem comparar com o seu, ou quem sabe eu só esqueça esse habito de café e resolva tomar um suco? Vou andar nas ruas sem desejar me esbarrar com você a cada esquina que virar, ou sorrir para as pessoas sem esperar que você esteja me vendo sorrir. Vou parar de procurar você nos homens que eu conhecer, parar de desejar que todos eles sejam você, parar de me privar de receber um amor, que não seja o seu.
Talvez neste dia, que meu coração não te pertencer mais, você se lembre de mim. Se esbarre comigo na rua e torça para que eu te reconheça, e se dê conta de que você foi burro demais por me deixar te esquecer assim. Afinal, a gente só deseja o que não pode ter. Não é assim que falam?
Mas até esse dia chegar, venho te avisar, que meu coração te espera e quer te esperar. Tomara que você não demore.
Porque se demorar, meu amor, só me mostrará que seu amor nunca foi meu.

Termino esta carta com todo meu amor, que sempre será seu.

Espero sua volta para casa.